21 de mar de 2012

Etapas para segurança dos ciclistas em Ponta Grossa

Quais são os passos que devem ser tomados para a segurança dos ciclistas de Ponta Grossa? Nesta breve análise veremos onde estamos hoje e que passos tomar para que Ponta Grossa ofereça segurança aos ciclistas.

A situação hoje

Precária. Não existe uma estrutura cicloviária na cidade nem há preocupação das autoridades com relação aos ciclistas. Porém os ciclistas jovens e adultos, desportistas e trabalhadores, ativistas e domingueiros, meninos e meninas, abastados e humildes, querem usar suas bicicletas por inúmeras razões. Este problema não pode mais ser empurrado com a barriga.

Passos para a segurança dos ciclistas
  1. Estudos técnicos e sobre o ciclista princesino. Estamos articulando, junto a professores da Universidade Estadual de Ponta Grossa, estudos que irão subsidiar o planejamento cicloviário da nossa cidade. Detalhes sobre essses estudos serão divulgados em breve. 
  2. Desenvolvimento do tema: intercâmbio e estudo. Várias ações foram e continuam sendo realizadas: a) o ProCicloviasPG realizou em 2011 o “1º Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana Sustentável” com a presença de pesquisadores e estudiosos, trazendo a discussão técnica para nossa cidade - em setembro de 2012 haverá a segunda edição deste evento; b) o ProCicloviasPG adquire e estuda materiais técnicos nacionais e de outros países para entender esta problemática e oferecer soluções de comprovado nível técnico. c) o conhecimento acadêmico dos cursos locais deve ser aproveitado na elaboração de projetos de urbanização para Ponta Grossa; d) visitas do ProCicloviasPG a outras cidades para conhecer estruturas cicloviárias variadas e apresentar as melhores soluções.
  3. Participação da sociedade. A sociedade deve participar na elaboração de soluções através de: a) proposta de leis de iniciativa popular - ver ADIN impetrada pela OAB/PR referente ao Artigo 192 da CMPG; b) participação da sociedade na elaboração e fiscalização do Plano Diretor (atual campanha do ProCicloviasPG) e; c) mobilização da sociedade para exigir ação dos administradores referente à mobilidade por bicicleta.
  4. Desenvolvimento de projetos e captação de recursos. Há inúmeros programas para desenvolvimento urbano e a questão do transporte por bicicleta está amplamente contemplada. a) consulta com os setores da sociedade; b) desenvolver os projetos; b) enviar os projetos aos governos estadual e federal para captação de recursos.
  5. Realização das obras. As obras devem ser realizadas em etapas: a) criação de bicicletários e paraciclos para que os ciclistas tenham onde deixar suas bicicletas; b) criação de ciclofaixas nas vias com conflitos entre automóveis e bicicletas, ex. Av. Carlos Cavalcanti; c) construção de ciclovias até os locais turísticos, ex. Passo do Pupo; d) educação de trânsito, com inclusão do tema no curriculo escolar e campanhas permanentes que preparem motoristas, motociclistas e usuários de bicicleta para uma convivência pacífica nas ruas.

Através da elaboração e implementação do Plano Diretor e do Plano de Mobilidade Urbana, o objetivo da segurança para os ciclistas será certamente atingido. Para chegar lá será necessário muita participação da sociedade para trazer estes temas para o centro da discussão. Participe também no Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário