28 de fev de 2011

Queremos paz no trânsito!

O atropelamento intencional de cicloativistas, ocorrido nesta última sexta-feira em Porto Alegre,   foi um ato de extrema violência e injustificável. Solidarizamo-nos com os companheiros que lutam por cidades melhores e mais humanas.

PELO FIM DA VIOLÊNCIA E DA IMPUNIDADE NO TRÂNSITO!

27 de fev de 2011

Passeio ciclístico exploratório - 27/02/2011



 
Domingo, 27 de fevereiro, 9:00h: cinco membros  do ProCicloviaPG iniciam  um passeio ciclístico exploratório para conhecer a linha desativada da ALL que passa ao lado da Av. Visconde de Mauá e vai até a Bunge. A proposta é  utilizar as linhas férreas desativadas para a construção de vias públicas, como corredores de ônibus integrados a ciclovias. Como as linhas são em nível, fornecem a condição ideal para a bicicleta. O trecho percorrido foi de 11 km e foi possível comprovar no passeio, que a transformação do nosso sonho em realidade só depende de vontade política.

Veja abaixo o mapa do percurso e algumas fotos.

Mapa do trecho percorrido hoje:


Ver Passeio ciclístico exploratório - 27/02/2011 em um mapa maior













19 de fev de 2011

Dá para pedalar em Ponta Grossa?

Para muitas pessoas, Ponta Grossa não é uma cidade favorável ao uso da bicicleta, pela declividade que apresenta em algumas regiões. Isso está mais para mito que para realidade. Veja só:

1. As bicicletas modernas têm marchas mais baixas,  o que facilita muito as subidas. Além disso, não podemos esquecer que todo morro pode ser contornado por um caminho menos íngreme do que aquele utilizado pelos automóveis (e estas são as rotas que devem ser disponibilizadas aos ciclistas em cidades que não são  totalmente planas).


2. O uso da bicicleta na Suíça e em cidades como Lisboa mostra que o relevo acidentado não é um empecilho.

3. Uma coisa é subir uma ladeira espremido por carros pilotados por motoristas impacientes, com fumaça no rosto e buzinas no ouvido. A outra é subir tranquilamente, em ritmo constante, sem sofrer ameaças laterais de máquinas de duas toneladas.

4. Devemos lembrar que não estamos em uma corrida; apenas pedale em seu ritmo; você verá que não é tão difícil quanto imagina. Se no início, você sentir que não consegue, desça da bike e empurre, não há nada demais nisso. Com o passar do tempo, o corpo fica condicionado e a subida, fácil.
Eu mesma vou trabalhar de bike sempre que eu posso. Moro na Vila Estrela e trabalho no Vendrami. Na volta, eu passo ao lado do Conjunto Residencial Antares; quem conhece sabe o desafio que é aquela subida. No começo, eu tive que descer da bike umas 2 vezes, mas depois não precisei mais.


14 de fev de 2011

Brasil utiliza apenas 29% da verba destinada à mobilidade urbana

Os especialistas são unânimes em afirmar que a melhoria dos sistemas de mobilidade das grandes cidades está diretamente ligada aos investimentos feitos em transportes públicos e veículos alternativos, como a bicicleta.

Mas parece que algumas cidades do Brasil não estão aproveitando ao máximo os recursos disponibilizados para tal fim. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o país deixou de usar R$ 1,2 bilhão que foi destinado para projetos de mobilidade.

As informações apontam que a verba reservada pelo Ministério das Cidades vem sendo acumulado desde 2007. Ela faz parte do Programa Nacional de Mobilidade Urbana e deveria ter sido aplicada por Estados e municípios em obras de transporte coletivo e não-motorizados.
Ao todo, o governo federal projetou um gasto no valor de R$ 1,77 bilhão em projetos apresentados e executados por Estados e municípios que os inscreveram no ministério. Porém, apenas R$ 529 milhões foram pagos.

Com isso, apenas 29% de toda a verba reservada para obras como terminais de ônibus, corredores exclusivos de transporte público, ciclovias e ciclofaixas foi efetivamente gasta.
Segundo a publicação, com o valor que ficou parado nos cofres públicos, poderiam ser construídos 70 quilômetros de corredores de ônibus.

Fonte: Eco 4 Planet

As "Ciclovias" de Ponta Grossa

Ponta Grossa possui duas "ciclovias", se é que se pode chamar assim. Uma delas fica no Contorno Leste. De um lado, foi construída a ciclovia, porém não há calçada. No lado oposto, não há ciclovia e nem tampouco uma calçada. Dessa forma, os pedestres são obrigados a caminharem pela ciclovia. Além disso, esta encontra-se em péssimo estado de conservação. A segunda ciclovia está localizada no bairro Santa Mônica, porém em mau estado de conservação.

Por outro lado, o planejamento de uma estrutura cicloviária deve considerar não somente as ciclovias e/ou ciclofaixas. Em Ponta Grossa, mesmo que se queira usar a bicicleta para ir ao centro da cidade, por exemplo, o ciclista depara-se com a falta de bicicletários  e paraciclos. Também há a necessidade de se planejar um sistema de transporte onde a bicicleta esteja integrada ao transporte coletivo, como vem acontecendo em várias cidades do Brasil.

A melhoria das condições cicloviárias só será possível com a mobilização da sociedade. Junte-se ao nosso movimento!

"Ciclovia" no Contorno Leste

13 de fev de 2011

Passeios ciclísticos ecológicos em Ponta Grossa


O Movimento ProCiclovias em PG participa da organização dos passeios ciclísticos ecológicos organizados pelo IAPAR, o qual tem também o SESC como entidade parceira. Até o momento já foram realizados dois passeios e para 2011 estão previstos 3 passeios, cuja datas serão divulgadas em breve.