30 de jul de 2012

Contribuição para Comissão Especial sobre o Plano Diretor


"Dia 24 de maio participamos da audiência pública da Comissão Especial que avalia o novo Plano Diretor da cidade. Na audiência apresentamos sugestões para que a lei do Sistema Viário do Plano Diretor inclua ciclovias, ciclofaixas, bicicletários, paraciclos e demais estruturas para que os ciclistas possam pedalar com segurança e tenham locais para deixar suas bicicletas.

Plano Diretor Participativo - O Poder Público deve
consultar a população sobre o planejamento da cidade
Observamos que o projeto enviado pela prefeitura não menciona a construção de uma estrutura cicloviária. Decidimos então formalizar nossa participação protocolando sugestões e um ofício ao departamento jurídico e ao presidente da Comissão Especial, vereador Alessandro Lozza, para que a Comissão inclua no Plano Diretor a estrutura cicloviária.

Quando entregávamos os documentos ao vereador Alessandro observamos que outras pessoas e a própria ACIPG também entregava suas solicitações. Com satisfação vimos que a ACIPG também menciona a necessidade de ciclovias na cidade, o que mostra que nossas reivindicações não são isoladas mas fazem parte da percepção de vários setores da sociedade de Ponta Grossa: é hora de proporcionar segurança aos ciclistas e investir neste transporte que é moderno, ecologicamente coreto e saudável.

Nossos colaboradores podem verificar os documentos entregues no endereço eletrônico abaixo. Para aqueles que desejam participar das nossas ações, podem também visitar o blog e lá encontrarão todas as informações necessárias."

Artigo do ProCiclovias veiculado no Jornal da Manhã, dia 17/06/2012

17 de jul de 2012

Mobilidade sustentável é perspectiva



Exemplo de integração entre o antigo e o novo
em um sistema de integração multimodal
"Novos produtos e tendências chegam com a velocidade da internet. É com esta mesma velocidade que compartilhamos também os problemas globais. Marolinha ou não, sofremos as consequências da crise econômica global, da alta do petróleo, da mudança climática, etc.

O homem não está mais sentado no topo da pirâmide com os reinos animais, vegetais e minerais à sua disposição – este é um pensamento do século 19 que não funciona mais. O homem agora é uma das partes de um meio ambiente complexo que ainda não entendemos completamente.

Naturalmente, nossas cidades são o reflexo de como entendemos a posição do homem na natureza. Para aqueles que ainda se sentem no topo da pirâmide – onde arrogância impera – a cidade é feita para os carros, não para as pessoas.

É necessário uma revisão da nossa relação com a natureza e do papel das nossas cidades. Muitos problemas serão eliminados, na verdade nem surgirão, quando as cidades forem projetadas para seus habitantes, pobres ou ricos, deficientes ou “normais”, pedestres ou motoristas. Em especial, o transporte público deverá oferecer qualidade para ser uma opção real para os que hoje usam o carro. Mobilidade urbana sustentável é uma maneira mais humana e inteligente de planejar a cidade, oferecendo a todos uma experiência segura, contínua e de qualidade no transporte, nas ruas, nas praças, nos serviços públicos – onde quer que a pessoa se encontre.

Cloter Migliorini Filho
http://prociclovias.blogspot.com.br/"

Artigo do ProCiclovias veiculado no Jornal da Manhã, dia 20/05/2012

Especialistas alertam para grave crise de mobilidade urbana


"Em depoimentos na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, do Senado, vários especialistas em mobilidade urbana comentam sobre a crise de mobilidade pela qual o País vem passando, e destacam as oportunidades para o transporte público no país.

Ver link abaixo para a matéria do Senado
Segundo Otávio Vieira, presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, em 1977, 70% dos brasileiros usavam transporte público. Em 2009, 50% usava transporte individual.

Ernesto Galindo, do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, apontou que o transporte individual não consegue ser eficiente no uso do espaço público, no uso energético e na redução de acidentes, como o transporte público consegue.

O coordenador do MDT, Nazareno Affonso, destacou a Lei da Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012), em vigor desde abril, a qual institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana e prevê prioridade dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado. Essa lei determina a integração entre os modos e serviços de transporte urbano e a mitigação dos custos ambientais, sociais e econômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas na cidade. Com a nova política, as prefeituras deverão definir regras do transporte urbano local e o governo federal poderá aportar recursos para iniciativas que atendam as diretrizes da Lei de Mobilidade.

Convidamos todos para participar da discussão e contribuir, acessando os textos e vídeos em:

http://prociclovias.blogspot.com.br/"

Artigo do ProCiclovias veiculado no Jornal da Manhã, dia 06/05/2012

8 de jul de 2012

O uso da bicicleta como transporte

"O Movimento ProCicloviasPG vem trabalhando desde 2010 pela segurança dos ciclistas de Ponta Grossa. Nosso projeto envolve conscientizar a população quanto aos benefícios do uso da bicicleta e também cobrar do poder público mais investimentos no transporte não-motorizado."
Ver mais na edição online do JMNews aqui e também na edição impressa.