28 de fev de 2013

Modismo ou Objetivo Sério?


O ProCicloviasPG é um modismo ou temos um objetivo?

Há 30 ou 40 anos atrás não era necessário um Movimento ProCiclovias em Ponta Grossa, pois nem passava pela cabeça das pessoas (do nosso país) que a bicicleta pudesse ser um meio de transporte sério e viável. A bicicleta era considerada, como nosso ex-prefeito Pedro Wosgrau nos disse em reunião, "um brinquedo". Naquela época, apesar de algumas modalidades de ciclismo já estarem estabelecidas, os atletas não recebiam nem o devido respeito, nem o patrocínio adequado, nem o merecido espaço na mídia - a não ser quando ganhavam alguma competição e viravam heróis. Todo o esforço anterior era ignorado. Dentro de um clima de "milagre econômico" estávamos em plena transição para o modelo urbano atual, porém ninguém pensava nas consequências negativas do "desenvolvimento".

Cidade para o automóvel - modelo atual
Agora a situação é outra - hoje convivemos algumas consequências negativas do "desenvolvimento" e muitos já entendem que algo precisa ser feito. Com o inchaço das cidades, a completa não utilização dos planos diretores e catastrófica utilização dos espaços urbanos (devido ao modelo especulativo de exploração do solo), ao aumento exponencial do número de veículos, queda dos níveis de atividade física, aumento do sedentarismo, queda da qualidade da alimentação, aumento do estresse, problemas de mobilidade urbana, sustentabilidade da economia, e outros fatores, o atual modelo de desenvolvimento baseado em crescimento econômico ficou demostrado como insustentável, porém a maioria acredita não haver alternativas.


Cidade para as pessoas
Nós do ProCicloviasPG sempre estaremos abertos à novas ideias. Algumas dessas ideias, que na verdade são bem antigas (e este é o paradoxo) dizem que a cidade deve ser pensada, planejada e construída para as pessoas. As cidades surgiram como aglomerados humanos que compartilhavam a necessidade de um local para suas celebrações culturais, atividades econômicas, etc., portanto a cidade, enquanto criação humana e manifestação cultural, deve servir às pessoas - e não ao contrário. Portanto a meta final das cidades é proporcionar um espaço adequado, em termos econômicos, de segurança e cultural para que as pessoas possam manifestar seus valores humanos e que sejam respeitadas enquanto o fazem. Este ideal parece bem distante do que as cidades brasileiras, e em especial Ponta Grossa, oferecem.

Acreditamos que devemos fazer todo o possível para exigir das pessoas colocadas pela população através do voto direto - do seu e do meu voto -  trabalhem pelo interesse da população e evitem ceder  ou representar os interesses contrários ao bem público. Afinal o título destas pessoas, dos prefeitos, secretários, vereadores, assessores, etc, é de "administrador público". Ser administrador público significa administrar de acordo com a lei, e é isso que o ProCicloviasPG, enquanto Movimento social, sempre cobrou e continuará cobrando.

Uma dessas obrigações a que o administrador público brasileiro está sujeito, legalmente, é a implementação do Plano Diretor Municipal. E como não pode haver implementação de uma estrutura cicloviária sem a adoção, na prática, do Plano Diretor, o ProCicloviasPG sempre se preocupou muito com esta questão desde o início de suas atividades, quando da participação da Conferência das Cidades em 2010. Isso foi há três anos atrás e até agora nada. Estamos nos preparando para dar os próximos passos e cobrar, de uma maneira mais direta, que a prefeitura leve a sério e abra espaço para uma verdadeira discussão sobre o Plano Diretor, com participação da sociedade.

25 de fev de 2013

Carreta faz manobra arriscada no centro da cidade

Ponta Grossa deve ser a única cidade de seu tamanho que permite tráfego irrestrito de caminhões de qualquer tamanho no centro da cidade em qualquer horário. As fotos abaixo mostram a manobra que um caminhão carreta (isso mesmo, cavalo e carroceria) fez durante conversão da R. Padre João Lux à R. Engenheiro Schamber no dia 25/02/2013 às 11:00 horas da manhã. O caminhão dirigia-se ao supermercado BIG para uma entrega.

Durante a manobra a carroceria atingiu uma caixa ligação de telefone ("armário") que se localiza na esquina. O motorista evitou atingir outros automóveis, mas não saiu do veículo para ver o que havia ocorrido. A caixa encontra-se na calçada, o que significa que ele poderia ter atingido transeuntes e outros objetos pois a posição da cabine durante a manobra o impedia de ver o que estava próximo da traseira da carreta.

E o que o ProCicloviasPG tem a ver com isso? Somos um grupo ativista que promove o uso seguro do transporte não-motorizado, principalmente a bicicleta. Em nossa missão está também colaborar para que os pedestres e todos os outros tipos de transportes não-motorizados sejam respeitados, portanto denunciar esta ocorrência está dentro da nossa 'alçada'.

Iremos protocolar esta ocorrência na prefeitura e na AMTT, pois entendemos que a lei (iremos descobrir se existe alguma lei) que impeça o trânsito de caminhões desse porte no centro da cidade deve ser aplicada sem exceções. O Brasil é o país das leis que "não pegam". E por que "não pegam"? Pelo simples fato do poder público não aplicar a lei. Se a lei "não pega" é por preguiça ou descaso do poder público. Não investir na polícia, na guarda municipal, no judiciário é uma ótima maneira para que a lei "não pegue". Isso que ocorreu hoje aqui, no centro da cidade, foi um absurdo. Entre outros absurdos - chegaremos a eles em tempo.

Quer ajudar a monitorar o poder público? Denuncie, denuncie, denuncie tudo que achar que pode estar infringindo uma lei. Caso não haja uma lei, mobilize-se para que uma seja criada. Este é único jeito de mudar o país - de baixo para cima. Se você ficar sentado esperando, claramente nada irá mudar.


Carreta tenta conversão da Pd. João Lux para Eng. Schamber

Motorista prossegue com a manobra arriscada

Caminhão passa a menos de 10 cm do automóvel

Funcionária da AMTT presencia a manobra

Caixa de ligação de telefone danificada

Caixa de ligação de telefone danificada

Caixa de ligação de telefone danificada

23 de fev de 2013

Entrevista RPC / 24-fev-2013

ProCicloviasPG participa de reportagem da RPC sobre a necessidade de mais segurança para os ciclistas em Ponta Grossa.

Aproveitamos para lembrar que o plano de governo do atual prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, inclui a instalação de uma estrutura cicloviária e as últimas reuniões que o ProCicloviasPG manteve com a prefeitura indicam que a equipe de governo está tomando os passos para que isso aconteça. Continuaremos com nossa cobrança, que somente irá encerrar quando pudermos usar a bicicleta com segurança em nossa cidade.

21 de fev de 2013

Faça certo da primeira vez

Quando Curitiba anunciou as ciclofaixas de lazer (ver aqui), foi uma aminação geral. O prefeito se promoveu, os ciclistas ficaram felizes, os cicloativistas acharam que estavam fazendo progresso. Porém, quando a população começou a compreender melhor as rotas e como elas foram feitas, veio a decepção.

Ao fim, a atual administração decidiu 'reformar' o circuito de ciclofaixas de lazer em Curitiba (ver aqui e aqui).

Para que 'missão dada' seja de fato 'missão cumprida', alertamos aos administradores de Ponta Grossa sobre esses percalços. Para que um projeto cumpra seu objetivo é importante que ele seja bem discutido com os usuários. Mais, a base de informações técnicas deve ser bem compreendida e verificada. O planeta vem implementando estrutura cicloviárias em muitas cidades ao longo de pelo menos 50 anos. Não existe uma solução pronta que baste instalar e pronto. Cada caso é um caso e tudo tem de ser bem pensado, pesquisado, projetado e executado. Aqui vai um alerta importante: para Ponta Grossa, pelas características de relevo, culturais, e até políticas da cidade, o mais adequado é um plano gradual iniciando por campanhas de educação, criação das ciclofaixas de lazer nos finais de semana, ciclovias recreativas. Durante esse tempo, de aproximadamente 6 meses a 1 ano seriam feitos os estudos junto a população para identificar os pontos mais necessários para ciclofaixas e ciclovias de acordo com vários critérios: nível de perigo da via, registro de acidentes, nível de estresse ao andar na via, volume de ciclistas, população atendida, topografia, etc. Depois virá a instalação das primeiras ciclovias e ciclofaixas, evidentemente nos locais mais importantes, em nosso caso na Av. Carlos Cavalcanti. Depois, para estimular seu uso serão instalados bicicletários por toda a cidade. A instalação de um sistema de aluguel, ou melhor ainda, de compartilhamento de bicicletas irá completar a estrutura cicloviária.

Assim haverá tempo para o motorista de carro, ônibus e caminhão adaptar-se ao processo de compartilhar a via com o devido respeito, pois será mostrado nas campanhas que o ciclista tem o direito de trafegar ali. Um dos problemas hoje é que o ciclista ainda é visto como um empecilho ao bom fluxo do tráfego e isso é agravado pelas péssimas condições do pavimento e alto número de veículos nas ruas, fatores que geram conflito inevitável entre os modais.  Com uma estrutura cicloviária adequada os conflitos diminuirão e todos ganharão com isso em segurança, nível de estresse, economia de tempo, saúde e muitos outros fatores.

Acreditamos que as condições estão todas presentes para que Ponta Grossa torne-se uma cidade amiga da bicicleta:
  1. as soluções técnicas são abundantes
  2. há recursos do ministério das cidades
  3. a demanda é alta
  4. ambientalmente correto
  5. promove inclusão social
  6. uso adequado do solo
  7. a atual administração é receptiva (na prática, a mais importante)
Mais lições de como fazer ou não fazer ciclovia, aqui.

20 de fev de 2013

Reunião na Secretaria de Planejamento

O ProCicloviasPG participou de reunião na Secretaria de Planejamento de Ponta Grossa hoje às 10:00 horas onde foi discutida a questão do Plano Diretor e do Plano de Mobilidade Urbana para a cidade.

Estavam presentes o Eduardo Kalinoski da AMTT, a Nagila e o Fernando do Paraná Cidade, Cloter do ProCicloviasPG e nosso anfitrião, o Secretário de Planejamento João Ney Marçal.

Este foi o primeiro contato e foi estabelecida uma cooperação entre estas entidades no sentido de elaborar os estudos, planos, projetos e criar as políticas públicas, legislação e infra-estrutura física para que Ponta Grossa avance na questão da Mobilidade Urbana. O Paraná Cidade e o ProCicloviasPG compreendem e provem a ideia que a mobilidade dentro dos espaços urbanos deve priorizar o transporte não-motorizado, ou seja, as pessoas que caminham a pé, os ciclistas. Depois a cidade deve priorizar o transporte público e finalmente os automóveis particulares. Estas são também as diretrizes da lei federal da mobilidade, aplicável a todos os municípios brasileiros com mais de 20 mil habitantes.

O Secretário foi extremamente receptivo a estas ideias e destacou uma pessoa do seu quadro para trabalhar com a Nagila do Paraná Cidade. O ProCicloviasPG fará parte desse processo compartilhando todas as nossas propostas e experiência prática seja como ciclista, seja técnica na elaboração de projetos, mapas e eventos.

Esperamos que, através destas ações, Ponta Grossa caminhe na direção de tornar-se uma cidade amiga da bicicleta.

Sugestão do ProCicloviasPG para as rotas

A solução

Para que 300 mil possam andar de bicicleta com segurança, alguns precisam trabalhar duro. Você já deve ter visto as campanhas que órgãos beneficentes fazem para levantar fundos. Também já deve ter visto o apelo para que você faça parte de uma delas e ajude com seus braços, cérebro e tempo.

Durante três anos o ProCicloviasPG manteve-se pelo esforço de algumas pessoas que acreditam que algo precisa mudar em Ponta Grossa. E isso que irá mudar vai beneficiar os mais de 300 mil que moram aqui. Então estamos lançando a campanha "Venha para o ProCicloviasPG" de 2013.

Como você pode ajudar? Criamos uma página no blog que explica o que você pode fazer: ProCicloviasPG: Como participar. Não é difícil, não toma muito do seu tempo. Mas quando as ciclovias estiverem aí você saberá que fez parte da solução. Seu esforço terá ajudado milhares de pessoas que hoje não andam de bicicleta porque é, de fato, muito perigoso sair por aí enfrentando esse trânsito cada vez mais pesado.

Faça parte da solução. Seja voluntário no ProCicloviasPG e ajude a tornar Ponta Grossa uma cidade mais amiga da bicicleta.

18 de fev de 2013

Visita à AMTT - 18/fev/2013

Olá todos - o blog do ProCicloviasPG está de volta!
   
   Hoje fomos recebidos pelo Sr. Eduardo Kalinoski, presidente da AMTT (Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte) de Ponta Grossa. Nossa visita, à convite do Kalinoski, foi para iniciarmos colaboração para estudo e implementação de soluções para o sistema viário da cidade, mais especificamente nos aspectos que o ProCicloviasPG pode contribuir: soluções para a questão da Mobilidade Urbana por veículos não motorizados, em nosso caso, a bicicleta.
  
AMTT
Prefeitura de Ponta Gross
a
   Em reunião de mais de duas horas o Kalinoski nos explicou como a atual administração pretende trabalhar de maneira colaborativa com a população, ouvindo reivindicações e criando espaço para que a própria população contribua com soluções. Isso ficou bem claro pela maneira receptiva com que nos ouviu, pela atenção quando falávamos das nossas reivindicações, e pelo respeito à nossa visão da cidade. O Kalinoski parece entender que as pessoas mais próximas dos problemas são, muitas vezes, aquelas que melhor conseguem enxergar a solução. Evidentemente a implementação das propostas passa por um processo burocrático mais complicado de alocação de recursos, elaboração e submissão de projetos, licitação e execução de obras - mas isso é parte inerente dos processos de administração pública.
  
   Em contrapartida, pudemos expor nossas expectativas, principalmente com relação ao envolvimento de vários setores da sociedade, notadamente a participação do intelecto acadêmico disponível em nossas várias faculdades e na UEPG, o que foi bem recebido pelo Kalinoski. Na verdade, ele mesmo antecipou esse anseio do ProCicloviasPG dizendo que já está iniciando contato com professores de várias áreas para que as soluções sejam desenvolvidas "in situ" , ou seja, que o estudos e projetos tenham forte participação dos que vivem e trabalham em Ponta Grossa, em especial da área acadêmica.
  
   Pudemos deixar com o Kalinoski, em mãos, vários dos nossos projetos já propostos: Ciclovia Recreativa, Ciclofaixa de Domingo, Bicicletários nos Terminais de Ônibus, mapa com mais de 100km de ciclovias para Ponta Grossa, proposta para Ciclovia da Av. Carlos Cavalcanti, e uma lista condensada das nossas reivindicações, premissas e objetivos para atingir uma verdadeira Mobilidade Urbana Sustentável em nossa cidade.
  
Estado do Paraná
   Durante a reunião fomos acompanhados por uma representante do Paraná Cidade, a Nagila Freiria. A Nagila está desenvolvendo estudo para futura implantação do Plano de Mobilidade, uma exigência para cidades do tamanho de Ponta Grossa. O ProCicloviasPG irá desenvolver parceria funcional com a Nagila no sentido de colaborar com todo nosso material para que o Paraná Cidade possa desenvolver seu trabalho com bastante efetividade no sentido de oferecer a Ponta Grossa o melhor apoio para que o Plano de Mobilidade torne-se uma realidade o quanto antes.
  
   Ainda, o Mark Eros da Fundação Municipal de Turismo trouxe o importante assunto do desenvolvimento do cicloturismo e turismo rural em nossa região - ou seja, para que essa grande vocação da cidade seja finalmente reconhecida e valorizada na forma de projetos que, harmoniosa e ecologicamente, venham a beneficiar este setor da economia da cidade.
  
   Nossa próxima ação será oferecer à AMTT e à secretaria de planejamento mapas mais detalhados das propostas para rotas de ciclovias e ciclofaixas na cidade. Estes mapas foram elaborados usando modernas ferramentas de processamento geográfico e incluem perfis altimétricos para os percursos, facilitando assim a visualização das rotas. Ainda, fomos convidados para participar de futuras reuniões de setores administrativos que lidam com a questão da mobilidade, a próxima delas já nesta quarta feira, dia 20/02/13, na prefeitura.
  
   Consideramos que as desilusões e frustrações no trato com a administração anterior são águas passadas e nos sentimos renovados para colaborar com soluções sustentáveis para a questão da mobilidade urbana em Ponta Grossa - principalmente por veículos não-motorizados. Se você compartilha desse sentimento, junte-se ao Movimento, pois assim você fará parte da solução - e isso é uma boa coisa para fazer parte!
  
   Saudações cicloviárias!